Transtorno de ansiedade infantil: quais são os sintomas?


O transtorno de ansiedade infantil pode ser comparado a um sistema de alerta natural, que dispara em situações de ameaça ou perigo para manter crianças afastadas de danos. Os sintomas desencadeados são preocupação, nervosismo e/ou medo.

Ao longo da vida, todos passamos por momentos de ansiedade. E, às vezes, o sentimento pode até nos ser útil, alertando-nos sobre riscos eminentes. Com relação aos pequenos, o cenário é bem parecido. Afinal, eles sofrem com crises mais frequentes. Isso é normal, uma vez que resulta do processo de aprendizagem e descoberta da infância. Conforme o tempo passa, esse mesmo tipo de abalo desaparece naturalmente.

No entanto, isso torna-se um problema quando começa a atrapalhar o desenvolvimento da criança, impedindo-a de realizar tarefas simples como dormir, brincar com os colegas ou ir à escola. Em casos como esse, pode se tratar de um transtorno de ansiedade infantil.

Mas, afinal! Você sabe como identificar se o seu filho é ansioso demais? Continue a leitura.

Como identificar transtorno de ansiedade infantil?

As manifestações do transtorno de ansiedade infantil podem não ser diagnosticadas de uma forma ágil. Já que são, muitas vezes, mais sutis e diferentes daquilo que imaginamos.

É comum que as mesmas sejam percebidas inicialmente na fase escolar. Todavia, se você identificar os primeiros sinais enquanto ainda for cedo, é possível buscar ajuda e evitar que a ocorrência se torne maior.

Além de observar o comportamento do seu filho, nestes casos, é importante contar com a ajuda de um profissional da saúde mental - e também especialista no módulo infantil. A fim de orientá-lo(a) sobre como proceder a partir do diagnóstico.

Confira, abaixo, os sinais mais comuns que indicam um transtorno de ansiedade infantil.

1- Medos e fobias

Esse é um dos sinais mais claros do transtorno de ansiedade infantil. Os pequenos que têm personalidade ansiosa costumam desenvolver mais medos do que o normal. Entre eles, os mais comuns são:

  • Insetos, animais e pássaros;
  • Sombras e escuridão;
  • Monstros, criaturas e dinossauros;
  • Medo do banheiro (de ser sugado pela descarga);
  • Medo no chuveiro (de ser engolido pelo ralo).

2- Rotina rígida

Crianças ansiosas precisam de uma rotina planejada e que não tenha espaço para furos. Imprevistos e mudanças podem deixá-las completamente perdidas. Esse tipo de cenário se instala quando elas não sabem lidar com transições. E, frequentemente, manifestam mau comportamento até mesmo com as alterações mais simples que ocorrem em seu cotidiano.

3- Muitos rituais

Os pequenos que apresentam um quadro de transtorno de ansiedade infantil precisam da rotina para sentirem-se seguras. Por esse motivo, os mesmos podem desenvolver rituais que vão além do comportamento metódico.

Como usar apenas determinados talheres, só dormir se os bichinhos de pelúcia estiverem de certa maneira no quarto ou exigir um pedido de boa noite de modo específico.

4- Exigência com comida

A maioria dos pais enfrenta verdadeiras batalhas para inserir alguns alimentos no dia a dia de seus filhos. Porém, no caso de crianças ansiosas, o duelo está em outro nível. Isso porque elas são menos propensas a experimentarem algo novo, uma vez que não gostam de fatores que as façam sair da sua zona de conforto.

5- Problemas para dormir

A ansiedade pode desencadear insônia, inclusive nos menores. Sofrem com dificuldades para dormir sozinhos e necessitam da presença de alguém para pegar no sono. Por vezes,  precisam até ficar na cama dos pais a noite inteira.

A boa notícia é que, quanto mais cedo você detectar transtorno de ansiedade infantil no seu filho, mais rápido poderá ajudá-lo a desenvolver mecanismos que enfrentam o desafio. Lembre-se de que é muito importante procurar a orientação de um terapeuta especializado na saúde mental das crianças e um médico pediatra para avaliar o caso.

Quer ler mais artigos sobre o tema? Acesse este post no blog do Colégio Erasto.