Você sabe a diferença entre decorar, memorizar e aprender?

diferenca-entre-decorar-memorizar-e-aprenderDecorar, memorizar e aprender. Estes termos são frequentemente utilizados pelos estudantes no ambiente escolar, mas nem sempre são interpretados de forma correta. Portanto, compreendê-los é mais do que necessário para construir e implementar estratégias eficazes de estudo.

Segundo o antropólogo e psicólogo Gilberto Gnoato, “a palavra decorar implica na repetição mecânica de uma palavra ou ação”, atualmente, pois perdeu seu significado etimológico, que surgiu com os romanos que acreditavam que o decorar era estar em concórdia com o coração, o centro das emoções. Memorizar “implica em se fazer associações com outros dados decorados, são registros que possuem conexões com outros registros armazenados”. Já “aprender é um processo que depende de se utilizar os dados da memorização, associá-los com outras funções mentais como a cognição e outras funções cerebrais superiores como as múltiplas formas de inteligência. Isto depende de uma série de processos e fatores, como a genética, a história de vida e os estímulos culturais do mundo externo ao cérebro”, ressalta Gnoato. Segundo ele, é na aprendizagem que o sujeito se envolve na sua amplitude maior.

Portanto, a melhor estratégia para estudar, aprender e consequentemente produzir melhores efeitos está na associação do conhecimento escolar com o mundo vivido e não apenas com o mundo pensado, ressalta o antropólogo e psicólogo. Uma conceituada instituição de ensino também é primordial para estimular o pleno aprendizado. “Não existe eu falo e você aprende. O conhecimento não existe aí no mundo. Ele está na relação com as pessoas. No máximo que existe é eu falo e você decora, como é a maioria do ‘ensino’ como algo pertinente ao mundo dos psitacídeos [papagaios]”, explica Gnoato.

É preciso treinar o cérebro

Para um aprendizado duradouro o segredo está em treinar o cérebro logo cedo, durante as fases do período escolar. Técnicas simples que vão desde estudos com Mapas Mentais até uma leitura atenta dos textos podem ajudar muito na forma como se estuda e atua na profissão, no futuro. “Técnicas para decorar e para memorização podem ser mais efetivas sim para a aprendizagem, mas cada indivíduo possui mais habilidades em algumas dimensões da mente e do cérebro. Algumas pessoas têm mais memória visual, outras memória espacial, olfativa, auditiva, entre outras”, explica Gilberto Gnoato.

Um método eficiente para estudar

Criados pelo psicólogo inglês Tony Buzan, em 1970, os Mind Maps, ou Mapas Mentais, é um método de registro de ideias que remete à maneira como nosso cérebro armazena informações nos neurônios. Estudar com Mapas Mentais se torna uma atividade natural, uma vez familiarizado com a técnica.

Confira alguns dos benefícios do método de Buzan para estudantes:

- Reduz o estresse provocado pelo excesso de informação;

- Cria-se maior controle sobre processos criativos e analíticos;

- Se tornam mais perceptivos e interessantes;

- São impulsionadores de produtividade;

- São fáceis de reestruturar.

O site GoConqr possibilita criar um Mapa Mental gratuito através do link:
 https://www.goconqr.com/pt-BR/mapas-mentais/