4 maneiras que as escolas de hoje são diferentes das de antigamente

É só perguntar para sua avó como os pais educavam seus filhos antigamente que certamente ela vai falar por horas e horas. Na escola, então, as coisas eram bem diferentes! “Na minha época os professores colocavam quem desobedecia de castigo” ou “Ai se algum aluno deixava de fazer a lição de casa” e outras tantas frases podem definir o que acontecia naqueles tempos.

Porém, metodologias de educação e pedagogia mudaram muito em poucas décadas.  A chegada da tecnologia não só trouxe impacto à vida dos adultos, mas também dos pequenos.

Aí surge a dúvida: qual o tipo de educação é melhor? O que uma difere da outra? Pensar o que cada uma teve de melhor (e pior também) pode ajudar nesta reflexão.

Pensando nisso, comparamos alguns pontos para você, como pai ou mãe, refletir:

Principais diferenças entre as escolas antigas e aquelas que fogem do modelo tradicional de ensino:

1. Acompanhamento mais próximo dos pais

Até certo tempo atrás, a sociedade “entendia” que cuidar da educação dos filhos era responsabilidade da mulher. Como ficava em casa, era dela o papel de ensinar e dar atenção à saúde das crianças.

Porém, a vinda desta mãe para o mercado de trabalho mudou o cenário. O que vemos hoje são pais que também são responsáveis pela educação dos pequenos, dividindo tarefas e colaborando com a criação.

2. As ferramentas de ensino são diferentes

Tanto as ferramentas “físicas” como a maneira de ensino sofreram grandes mudanças com o passar do tempo. Antes, o aluno era visto como uma caixa de ferramentas, que precisava absorver o máximo que o professor transmitia, deixando-a numa situação passiva.

Com o advento da internet, o conhecimento está em todo lugar e o aluno pode buscá-lo pelo smartphone ou computador. Tudo isso contribuiu para a mudança no papel desse professor em sala de aula. Muito mais que detentor da informação, ele agora tem a função de ser um mediador do conhecimento.

3. A criança tem mais autonomia

Assim como eram vistas como seres passivos na educação, as crianças antigamente não tinham autonomia para opinar sobre o que sentiam. No entanto isso ficou para trás, e o que vemos são crianças com opiniões independentes. Seja no que desejam assistir, ouvir ou até mesmo vestir, fazem praticamente tudo o que um adulto faz. E é só olhar como você era quando criança e comparar com seus filhos. Mudou bastante, não é mesmo?

4. As medidas corretivas também mudaram

Sem dúvida este é um dos pontos que mais mudou em como os pais educavam seus filhos antigamente e como fazem hoje em dia. O que antes era tido como eficaz – palmadas, castigos e agressão verbal – já é visto como ultrapassado.

Agora, a conversa é que pauta a maneira como os pais buscam corrigir uma atitude errada do filho. O ideal é fazer a criança entender o motivo pelo qual está sendo repreendida.

São muitas as mudanças que ocorreram e que ainda estão por ocorrer quando falamos em educação e pedagogia. Espaços colaborativos, matérias interdisciplinares e a experimentação muito em breve vão ocupar as escolas atuais.

E nisso tudo, os pais são convidados a refletir como seus filhos aprenderão diferente do que eles aprenderam. E, também, escolher uma escola que esteja alinhada à essa nova forma de aprender. O Colégio Erasto está se reformulando para 2020, com uma metodologia interacionista e a busca para desenvolver muito mais do que apenas o conhecimento técnico. Venha nos visitar!